- Chapada dos Veadeiros

Dia 4 - São Jorge

07:06Renata

Hoje foi dia de mais um passeio nos arredores de São Jorge.
Acordamos cedo e perto das 9 horas o nosso guia chegou.
Caminhamos uns 15 minutos até a sede do Parque da Chapada dos Veadeiros.
Nosso passeio seria dentro do parque.
Uma trilha de 6 km nos conduziria aos Saltos do Rio Preto.
A primeira parada foi na impressionante queda de 120 metros da Cachoeira do Garimpo.
Era apenas para contemplação pois o grande muro de onde a água verte impede o acesso de pedestres.
A segunda parada foi a queda de 80 metros da Cachoeira do Garimpo.
Nela pudemos nos banhar e descansar da longa caminhada.
Fizemos ainda uma terceira parada, numa praia de quedas tranqüilas onde lanchamos e tomamos banho debaixo das cachoeiras.
Dali retornamos por mais 6 km.
Quando faltava pouco mais de 1 km para chegarmos de volta a sede do parque...
No caminho havia uma pedra... Uma pedra havia no caminho... E eu "tropiquei"...
Já cansada não consegui me defender e caí de joelhos em cima de outra pedra.
Parecia que não havia nenhum dano maior quando começou a jorrar muito sangue.
O Neto, nosso guia, prontamente me socorreu.
Tirou da mala o seu kit de primeiros socorros, estancou o sangue e fez um ponto falso, com esparadrapo e microporo.
Insistiu em me levar ao hospital e com muita resistência concordei.
Depois de um banho rápido fomos nós 5 (Re, Mo, Fábio, Márcia e Neto) para Alto Paraíso, cidade que fica a 35 km de São Jorge.
Chegando ao pequeno hospital fui atendida pelo Dr. Jair, médico cirurgião plástico de São Paulo,  meu vizinho de bairro, muito simpático e esotérico que um dia, com medo do fim do mundo em 2012, veio parar em Alto Paraíso e acabou convidado a trabalhar por aqui.
Tornou-se um médico muito querido na cidade e desloca-se duas vezes por semana 1200 km (São Paulo - Alto Paraíso) para atender os seus pacientes.
Uma história incrível que só vemos neste Brasilzão de meu Deus!
Dizem que ele faz milagres por aqui!
Para se ter uma idéia, ele suturou o meu joelho com a luz da lanterna do celular (segurado pelo Mô) ajudado pela enfermeira (também de São Paulo) que fornecia os instrumentos cirúrgicos.
A luz do hospital havia acabado e o gerador, já encomendado, ainda não foi instalado!
Enquanto eu estava no hospital a Má e o Fábio aproveitaram para comprar algumas lembrancinhas de cristais.
Aqui é o lugar mais iluminado do planeta em função da quantidade de cristais que encontram-se no solo.
Aqui também possui a água mais pura do planeta além de ser a cidade de planalto mais alta do Brasil.
Muita mística ronda este lugar!
Dizem que aqui, ou as pessoas se encontram, ou enlouquecem de vez!
Depois de uma longa prosa com o médico retornamos a São Jorge, premiados com um lindo por do sol.
Ainda sem luz, jantamos novamente no delicioso Restaurante Buritis onde o espertíssimo Messias mantém um gerador para atender melhor os clientes.
As ruas escuras deram um brilho especial às estrelas. Foi possível avistar toda e qualquer constelação. Incrível!
Retornamos a pousada sob a luz da lanterna do celular do Fábio e nada mais nos restou além de um belo descanso.
Amanhã teremos mais um dia longo.
Bjs

Vista da parte externa do chalé da pousada Baguá

Centro de visitantes na sede do Parque da Chapada dos Veadeiros


Trilha de 12 km para os Saltos do Rio Preto




Cachoeira do garimpo de 120 metros de altura



Cachoeira do Garimpo de 80 metros


Coração!!!


E havia uma pedra no caminho...

E a pedrinha causou um estrago!


Pôr do sol


Restaurante Buritis preparado para a copa!

Buffet de massas do restaurante

<<< Postagem anterior: 3º dia         Próxima postagem: 5º dia>>>

VOCÊ TAMBÉM PODERÁ GOSTAR

0 comentários