- Escandinávia

Escandinávia 2011 - 4 º dia: Copenhagen

05:16Renata

Algumas considerações

"O blog"

Tenho que justificar os erros e a falta de fotos no blog durante a viagem.
Estou utilizando um aplicativo do IPhone para fazer as postagens e mais uma vez não estou me entendendo bem com ele.Ontem, por exemplo, perdi todas as fotos do dia!
A qualidade das fotos também não é das melhores...Além disso, eu não estou conseguindo corrigir os erros de postagem!
Então... Desculpem pelas falhas...

"A moto"

Como o motociclista é quem manda, o Mô escolheu experimentar a nova Super Teneré da Yamaha.
Não simpatizei com a moto logo de cara. Aquele banco miúdo e o farolzinho mirrado não empolgou.
Tive que rever meus conceitos depois de dois dias de viagem. Adoramos.
Macia, segura, enfrentamos trechos de terra sem qualquer problema.
Com um centro de gravidade mais baixo que a VStrom, ela fica muito leve, embora seja mais pesada.
O amortecimento é fantastico. Esquecemos que temos bunda!
Enfim... Recomendadíssima.

"0 tempo"

Chegamos em Frankfurt com 25 graus! Porém à noite a temperatura caiu para uns 15 graus.
Saindo da Alemanha a temperatura tem variado entre 11 a 15 graus.
É frio. Para quem está na moto a sensação térmica é menor.
Estamos nos agasalhando cada vez mais a medida que seguimos para o norte.

"As despesas"

Viajar pela Europa não é barato, mas se compararmos com o Brasil, está bem razoável.
Estamos pagando nos hotéis, de categorias 3 e 4 estrelas, entre 150 e 250 Reais a diária.
O traslado de 2 horas de navio, para nós dois e a moto, saiu €50.
Na alimentação você pode gastar o que quiser. A partir de €6 (ao infinito e além!!!)

O Dia de hoje

Estamos em um excelente hotel em Copenhagen, um pouco afastado do centro, mas com uma vista ampla da janela do quarto. Em primeiro plano se vê a estação do metrô, ao fundo o mar:

Hoje tiramos o dia para conhecer a capital da Dinamarca, Copenhagen.
(A cidade situa-se nas ilhas Zelândia e Amager, no mar Báltico e foi fundada em 1167 pelo Bispo Absalão).
Logo cedo visitamos a praia que vemos da janela do quarto do hotel.
Uma decepção! Não tem onda e a água e a areia são escuras. Mal termina o mar e vemos, contornando a orla,  uma graminha que se assemelha a um pasto.

A "praia" é feia, mas a cidade possui inúmeros edifícios renascentistas muito bem conservados e bonitos.
Tem uma rua, Stroget, que é considerada como a mais longa rua de pedestres do mundo. Nela encontramos as mais importantes grifes internacionais e diversos cafés e restaurantes. (Num dia chuvoso como hoje, a rua estava lotada!)
Stroget a mais longa rua de pedestres do mundo.
O que mais nos impressionou na cidade é a estrutura montada para os ciclistas.
Todas as vias (estradas, avenidas, ruelas) possuem ciclovias.
Toda estrutura urbana é montada para que o cidadão utilize o transporte público e a bicicleta.
E é o que fazem. 36% da população vai de bicicleta ao trabalho todos os dias!
Jovens, velhos, crianças, bebês (em seus carrinhos especiais acoplados às bicicletas), todo mundo utiliza a bicicleta como meio de transporte.
Dão até seta com a mão para indicar se estão virando à esquerda ou à direita!
É fora de série!
(Acho que é por isso que Copenhagen tem sido repetidamente reconhecida como uma das cidades com melhor qualidade de vida do planeta e uma das cidades mais ecológicas do mundo).
Estacionamento de bicicletas
Sede do Parlamento Dinamarquês 
Sede do Parlamento Dinamarquês - frente
Sede do Parlamento Dinamarquês (fundo).
Ao fundo a antiga sede da bolsa de valores. 
O Canal Nyhavn, margeado por muitos restaurantes e cafés coloridos.
O Canal Nyhavn
Jardim Botanico
O Rosenborg Slot, palácio renascentista construído por Cristiano IV entre 1606 e 1607 como sua residência de verão.
Padaria
Statens Museum for Kunst
<<< Postagem anterior: Dia 3 - Putgarten >>>         Próxima postagem: Dia 5 - Copenhagen >>> 

VOCÊ TAMBÉM PODERÁ GOSTAR

0 comentários